Vídeos

Depoimento no Senado

Luciana Barreto
Escrito por Luciana Barreto

“Parem de pedir paz quando, na verdade, o que querem é silêncio.”

Minha participação na Audiência Pública da Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Veja a Tradução em Inlgês:

Thank You! Good morning to all of you. I knew that this mission would de mine, since I am the only woman here at the table.

Due to the rarity of the fact, and because I have never been in a committee like this, in a public hearing, I decided to write a few words … I always speak freely, but this time I decided to write something.

I really appreciate the opportunity to be in this house. I have never thought I would be here in my life, as well as I have never imagined that I would become a television news anchor, as I am today.

Also, in my early childhood, the idea of becoming a college student was an almost impossible dream…

For many years I wondered who had “stolen my dreams.” Today, gentlemen, I know: it was the Brazilian State that took from me this “possibilities”. I am talking about the possibilities as the paths we offer to our citizens.

A short while ago, in relation to the crisis of African immigrants in Europe, experts said the economic difficulties of the European continent undermined social investments and social support to African countries. And the consequences have begun to appear. The truth is this: thousands of people fleeing from hunger. And here in Brazil, we have a popular saying to this European decision, which goes: “since we have little cassava flour, my mush first.”

We, black children born in the 1970s and 80s, know well what that means. We grew amid a severe economic crisis. I remember very well my childhood “without social projects” during that period. The helps we got was only to fight hunger.

Now I ask your permission to use my personal example. With poor public schools, my parents thought that the solution would be to get a partial scholarship at a private school. It turns out that they could never pay the difference in partial scholarship.

And we ended up getting there, at the end of the line…

In the 80s, I don’t know if you remember, in case you could not afford your place you would stay there, humiliated, outside, waiting because you could pay. Waiting to enter the school. It happens because we could never pay that difference.

Just as they had no lunch money, no money for the books and even money to buy the uniform … (I always “inherited” the uniform worn by my brother. Always torn and smelly). I wish my example were isolated. But it was not. I saw in my neighborhood, my neighbors trying to survive. While the TV images showed a hungry Brazil. And that Brazil looked like much like me and my folks. That happened among the dark-skinned people of Brazil, predominantly.

On the other hand, also with state permission, we saw a rich Brazil. Our television soap operas boasted a “Caucasian Brazil”, with huge houses and beautiful gardens and exuberant breakfasts. In “that” Brazil there were books, by the way, many books. Those rooms full of books. There were helicopters, boats and many trips. As a child, I was watching those scenes on TV and trying to see me. I sought someone with my skin and my imagination … but what they offered me, very rarely, and in some right places: characters working in the kitchen and in cleaning activities as I used to see my black grandmother doing. Television, with state permission, stole my imagination.

Wherever I looked, this was the “Brazil” that was shown on TV, in books, in stories … I Realize that, as Professor Kanbengele Munanga observed, the memory they inculcate me was not that of my people. The story they thought me is different. “My African ancestors were replaced by Gauls and blond hair and blue-eyed francs.”

I have no doubt, ladies and gentlemen, that there were, until then, a perverse system that resulted in inferiority and dehumanization of blacks. And now we are seeing the results.

Unlike the past, Brazil has advanced in the last decade in terms of advancements for the poorest people, especially for blacks. This is evident. We have conquered rights. With social policies, many children no longer drop out of school. The problem of hunger has diminished. There is no need to divide uniforms, as I had to do with my brother. There are books for everybody. Now we struggle to have higher quality ones. Now here is the Law 10.639 … And what about the reserved places for black universities? Higher education has became more colorful. In the labor market, there is plenty to do. By the way, there is a long road ahead in all areas. But the labor market is much more democratic. Although, I would like to emphasize, the labor market has not advance as education did.

It is still a very serious problem.

But here, today, there is a concern. Will we do it differently from other countries? Will we do it different from Europe? Faced with a downturn in the economy, will the poorest again be penalized? Ladies and gentlemen, will that be again “since we have little cassava flour, my mush first. “

I could not forget to mention here, gentlemen, how this matter is urgent. Along with other friends, I have dedicating part of my time and my life to addressing the race issue in the media.

I have to highlight the great work that the Public TV has been doing in this regard. I have freedom to work this issue. However, I can guarantee that my friends do not find the same good will in their workplaces. In recent years, EBC (Brazilian Communication Company) has been producing and displaying contents, always with the objective of showing a different Brazil. A colorful Brazil. A Brazil with regard to ethnicity in Brazil. Every ethnicity. In journalism, we denounce, all the time, the problems of racial issue – cases of racism, people arrested by mistake, inequality in the labor market and, the most serious problem now: murders of young blacks and institutional racism. And so on. There’s a lot to do.

Evidently, we’ve received so much support. I, myself, get hundreds of messages. Many with complaints of racism. Almost every day. For example, black college professors who are always required to prove that they are not the janitors. Or the student who had to leave the classroom and everything because of acts of racism. To students who cannot “survive” the life, at university, either by racism or economic inequality, or because of the difficulties of staying in college.

But even with all the evidences, it is still necessary to deal with the thankless words we hear almost every day, such as “victimhood”, “meritocracy”, “forget the past.” I often received such messages. “But that’s victimhood.” “We live in a democratic country. It’s up top you to get there.” The famous “meritocracy.” Or, “you have to forget the past and look ahead” But that past is very present.

And what they want is an artificial peace between us. I read a phrase the other day that fits well here. “Stop asking for peace when, in fact, what they want is silence.” And that is the truth. What they want is our silence.

I also get too many hostile messages. It is not easy to deal with the privileged ones in this country, ladies gentlemen.

I always remember a phrase of Martin Luther King. “The oppressor never voluntarily releases the oppressed.” Never. You have to work hard for it. Freedom is never given to anyone. The privileged classes have never given up their privileges, ever, without a strong resistance.

In conclusion, I would say that I have recently participated in a project called DNA Africa, which conducted a DNA examination of some Brazilian. There is no doubt about my black ancestry, as you can see, by my father’s side. But what was my surprise to find out that I possess the DNA of one hundred percent in my indigenous matriarchal side. So I keep in me two hearts … Sorry …it is the thrill of having two ethnic groups struggling to survive the centuries of oppressive Brazilian logic.

Thank You!

For many years I wondered who had “stolen my dreams.” Today, gentlemen, I know: it was the Brazilian State that took from me this “possibilities”. I am talking about the possibilities as the paths our country should offer to its citizens.

Veja a tradução em Português:

Obrigada! Bom dia a todos. Eu sabia que esta missão ia caber a mim, já que eu sou a única mulher da mesa. Eu logo imaginei…

Pela raridade do fato, eu nunca estive aqui numa comissão como esta, numa audiência pública, então eu resolvi escrever algumas palavras… Eu sempre falo livremente, mas desta vez resolvi escrever algumas palavras.

Agradeço muito a oportunidade de estar nesta casa. Jamais imaginei que estaria aqui um dia. Assim como jamais imaginei que me tornaria âncora de um telejornal, como sou hoje. Da mesma forma, na primeira infância, jamais imaginei que concretizaria o sonho de ingressar em uma universidade…

Durante muitos anos me perguntei quem teria “roubado minha imaginação”. Hoje, senhores, eu sei que foi o Estado brasileiro que tirou de mim “possibilidades”. Trato aqui possibilidades como os caminhos que oferecemos aos nossos cidadãos.

Recentemente, em relação à crise de imigrantes africanos na Europa, especialistas afirmaram que as dificuldades econômicas do continente europeu minaram os investimentos sociais e apoio social aos países da África. E o resultado começa a aparecer, a verdade é essa…. Milhares de pessoas fugindo da fome. E aqui no Brasil, temos um dito popular pra essa decisão da Europa – que é “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Nós, crianças negras nascidas nas décadas de 1970 e 80, sabemos bem o que significa isto. Crescemos em meio a uma forte crise econômica. Me lembro muito bem da infância “sem projetos sociais”, nas décadas de 80 e 90. As ajudas se resumiam ao combate à fome. E peço um pouquinho de licença agora pra usar meu exemplo pessoal. Com escolas públicas precárias, meus pais acharam que a solução seria conseguir uma bolsa parcial de estudos em uma escola particular. Ocorre que nunca eles conseguiam pagar a diferença da bolsa parcial. E a gente acabava ficando lá no final… Porque era assim na década de 80, não sei se vocês se lembram bem, mas na década de 80, se você não conseguia sua parte você ficava lá, humilhado do lado de fora, esperando porque você era o não pagador. Esperando pra entrar na escola. Ocorre que nunca conseguiam pagar essa diferença.

Assim como não tinham dinheiro para o lanche, para os livros e até para o uniforme… (Eu sempre herdava o uniforme usado do meu irmão. Sempre furado e mal cheiroso). O fato é que gostaria que meu exemplo fosse isolado. Mas não era. Vi no meu bairro, meus vizinhos tentando sobreviver. Ao mesmo tempo que as imagens da tv mostravam um Brasil faminto. E esse Brasil se parecia comigo e com os meus. Era um Brasil predominantemente de pele escura.

Do outro lado, ainda com a permissão do Estado, víamos um Brasil rico. Nossa teledramaturgia ostentava um “Brasil caucasiano”, com casas enormes e lindos jardins. Um café da manhã farto. Nesse Brasil existiam livros, aliás muitos livros. Aquela sala ostentava muitos livros. Havia helicópteros, barcos e muitas viagens. Quando criança, ficava olhando para a tela e tentando me enxergar. Buscava a minha pele e minha imaginação… mas o que eles me ofereciam, muito raramente, alguns lugares certos. A cozinha, a limpeza… Atividades que já via minha avó negra desenvolver. A televisão, com a permissão do Estado, roubava minha imaginação.

Aliás, pra onde quer que eu olhasse, era esse Brasil que aparecia. Na TV, nos livros, nas histórias… Percebam que, como diz o professor Kanbengele Munanga, a memória que me inculcam não é a do meu povo. A história que me ensinam é outra. Os ancestrais africanos são substituídos por gauleses e francos de cabelos loiros e olhos azuis.”

Não tenho dúvidas, senhores, que existia até então um sistema perverso que resultava na inferiorização e desumanização do negro. E os resultados nós estamos vendo agora…

Diferente do passado, O Brasil da última década avançou para a população mais pobre, principalmente para os negros. Isto é evidente. Conquistamos direitos. Com políticas sociais, mais crianças deixaram de abandonar a escola. O problema da fome diminuiu. Ninguém precisa mais dividir uniformes, como eu tinha que fazer com meu irmão. Não faltam os livros. Muito pelo contrário, luta-se pra que tenham mais qualidade. Está aí a lei 10.639… O que dizer do ingresso de negros nas universidades?! O ensino superior ficou mais colorido. No mercado de trabalho, há muito o que se fazer. Aliás, há um longo caminho pela frente em todas as áreas. Mas i mercado de trabalho está bem mais democrático. Se bem que, friso aqui, que ainda é um problema muito grave o mercado de trabalho. Não avançou como a educação.

Lanço aqui hoje uma preocupação. Faremos diferente de outros países? Faremos diferente da Europa? Diante de uma retração da economia, novamente os mais pobres serão penalizados? Senhores, será assim, “farinha pouca, meu pirão primeiro”?

Não poderia deixar de registrar aqui, senhores, o quanto este assunto é urgente. Junto com outros amigos, venho dedicando parte do meu tempo e da minha vida à abordagem da questão racial dentro dos meios de comunicação. Tenho que ressaltar o grande trabalho que a TV Pública vem fazendo neste sentido. Tenho lá liberdade para trabalhar este tema. E o fato Posso garantir que meus amigos não encontram a mesma boa-vontade em seus locais de trabalho. Nos últimos anos, a EBC vem produzindo e exibindo conteúdo, sempre com a preocupação de mostrar um Brasil diverso. Um Brasil colorido. Um Brasil que respeita a etnia do brasileiro. As etnias. No jornalismo, denunciamos, a todo momento, os problemas ligados à questão racial – casos de racismo, presos por engano, desigualdade no mercado de trabalho, o mais grave agora, assassinatos de jovens negros, racismo institucional… e por aí vai. Tem muita coisa.

Evidente que recebemos muito apoio. Assim como eu, pessoalmente, recebo centenas de mensagens. Muitas com denúncias de racismo. Do professor universitário negro que sempre é obrigado a provar que não é o faxineiro, todos os dias… ao aluno que teve que abandonar a sala de aula e abandonou tudo por não suportar o racismo. Aos universitários que não conseguem sobreviver lá, na universidade, seja pelo racismo ou pela desigualdade econômica, pela dificuldade de se manter na universidade.

Mas, mesmo com todas as evidências, ainda assim é necessário lidar com as palavras ingratas nesta luta, que a gente ouve quase todo dia – “vitimismo”, “meritocracia”, “esquecer o passado”… Frequentemente eu recebi mensagens deste tipo. “Mas isso é vitimismo”… “Nós vivemos num país democrático, é só você conseguir”, a famosa meritocracia…  Ou então, “vocês precisam esquecer o passado e olhar pra frente…”. Cabe que o passado está bem presente.

E o que quer se quer é que existe uma paz artificial entre nós. Li dia desses esta frase que se encaixa bem aqui. “Parem de pedir por paz quando na verdade o que querem é silêncio”. E a verdade é esta. O que querem é pedir silêncio.

Recebo também muitas mensagens hostis. Não é fácil mexer com o privilégio neste país, meus senhores e senhoras. Lembro aqui também uma fala de Luther King. “O opressor nunca liberta voluntariamente o oprimido. Nunca. É preciso trabalhar muito para isso. A liberdade nunca é dada a ninguém. As classes privilegiadas jamais abrem mão de seus privilégios, jamais, sem que haja uma forte resistência.

Pra finalizar, gostaria de dizer que, recentemente participei é um projeto chamado DNA África, que realizou o exame de DNA de alguns brasileiros. Não há dúvidas da minha ascendência negra, vocês podem ver, pelo meu lado paterno. Mas qual não foi minha surpresa ao descobrir que possuo o DNA cem porcento indígena do lado matriarcal. Portanto, guardo em mim dois corações… Desculpe a emoção… de duas etnias que lutam séculos pra sobreviver à lógica do Brasil opressor.

Obrigada!

Crédito da foto do Senado: V.Ehlers/CDH Senado

Sobre a Autora

Luciana Barreto

Deixe um Comentário